Em dias quentes, quando a temperatura parece insuportável, principalmente nas ruas movimentadas, a vontade é de chegar em um lugar fresquinho e tranquilo. O ventilador se tornou uma grande necessidade e surgiu com o intuito de refrescar e oferecer conforto. Por isso, é tão comum o seu uso para amenizar essa terrível sensação de calor, ainda mais no Brasil, onde a maioria das regiões registra altas temperaturas quase o ano inteiro.

Existem diversos tipos de ventiladores, que atendem a todos os objetivos, gostos e estilos. Mas, de todas as opções, o ventilador de teto é um dos mais eficientes, pois ventila igualmente todo o ambiente, tem uma grande potência, não ocupa espaço e além de tudo, pode fazer parte da decoração.

Mas mesmo sabendo de suas características básicas, ainda surgem muitas dúvidas na hora de comprar, seja em relação ao material, quantidade de pás, instalação, preços, cuidados no dia a dia, balanceamento, manutenção, controle remoto, decoração, etc.

História do Ventilador

O primeiro ventilador mecânico foi feito por leques presos por uma haste, que se moviam de acordo com as roldanas, por volta de 1880, nos EUA. E em 1882, Philip H. Diehl inventou o ventilador de teto: os primeiros modelos eram feitos com pás de latão, mas não se podia confiar em sua segurança. Porém, com os avanços industriais, o metal pôde ser produzido em série, facilitando a produção, aumentando a qualidade e a segurança.

No Brasil, somente a partir da década de 70, o ventilador vetoriano ganhou grande popularidade e todas as empresas fabricaram praticamente o mesmo modelo. Mas, com o passar do tempo, novos designs foram sendo desenvolvidos e recentemente o designer brasileiro. Guto Indio da Costa criou o ventilador “Spirit” (inspirado no avião Spirit of Saint Louis). É o modelo mais vendido atualmente, possui apenas duas pás, um design sofisticado, de variadas cores e é 30% mais eficaz do que o ventilador vetoriano.

Outra invenção foi o ventilador sem pás, denominado como “Air Multiplier”, desenvolvido por James Dyson. Seu mecanismo é semelhante aos de motores a jato. Há um anel, por onde passa um fluxo de ar, que é responsável por impulsionar e multiplicar a força desse fluxo. Uma corrente de ar é formada pela pressão, que puxa o ar da frente e de trás do ventilador. Mas esse novo modelo ainda não chegou ao Brasil.